Diesel e gasolina: são mesmo tão caros?

maio 23, 2018

Caminhoneiros de todo o país iniciaram uma greve contra os aumentos no preço do diesel.


Constantemente, por outro lado, vejo amigos reclamando do preço da gasolina.

Mas, será que os preços do diesel e da gasolina aumentaram tanto assim ao longo dos últimos anos?

Decidi fazer uma comparação:

- em maio de 2001, o litro da gasolina saia das bombas por R$ 1,68
- em maio 2018, o litro da gasolina sai das bombas por R$ 4,26, um aumento de 154%

- em maio de 2001, o litro do diesel saia das bombas por R$ 0,83
- em maio de 2018, o litro do diesel sai das bombas por R$ 3,57, um aumento de 330%

No entanto...

- entre maio de 2001 e maio de 2018, o salário-mínimo passou de R$ 180,00 para R$ 954,00, um aumento de 430%

Ou seja, se em maio de 2001 você comprava 107 litros de gasolina com um salário-mínimo, hoje você pode comprar 224 litros.

Além disso, é bom saber que entre maio de 2001, quando um barril de petróleo podia ser comprado por US$ 27,50 (equivalentes a R$ 64,31), e maio de 2018, quando um barril de petróleo não sai por menos de US$ 70,00 (equivalentes a R$ 252,00), a cotação do petróleo subiu 292%.

De todo a sorte, deixando-se de lado os impostos e contribuições, sem os quais nenhum país do mundo sobrevive, e que representam cerca de 28% do preço dos combustíveis, é preciso entender existem muitos custos ocultos no preço do diesel e da gasolina, além do petróleo.

Os consumidores se esquecem, por exemplo, dos custos com o transporte dos combustíveis entre as refinarias, as distribuidoras e os postos, os custos com os funcionários que trabalham na cadeia de combustíveis e que aumentaram mais de 600% nos últimos 17 anos (um empregado, no Brasil, custa ao empresário o equivalente a 150% de seu salário) e o próprio custo de oportunidade, que nada mais é que o valor que as refinarias, distribuidoras e os revendedores de combustíveis pretendem obter pelo capital investido.

O brasileiro precisa compreender que não existe almoço grátis e que é necessário reclamar do que realmente importa.

Temos rodovias sucateadas que encarecem o preço dos transportes.

Temos um folha de salários com tantos penduricalhos que empreender no Brasil é um desafio quase intransponível (você sabia que todas as empresas - supermercados, lojas, empresas de tecnologia - pagam uma contribuição para o INCRA?).

Temos gastos gigantescos para manter o Senado, a Câmara dos Deputados, as Assembleias Legislativas e as Câmaras Municipais, que, salvo em raras exceções, nunca exerceram seu papel com o mínimo de eficiência e dignidade.

Enfim, o que relembramos com a crise? Que vivemos na Bananalândia...

Em menos de 24 horas de greve, diversos aeroportos anunciaram o fim das reservas de querosene… Sério mesmo? As reservas de nossos aeroportos não duram nem 2 dias? Onde está o planejamento?

Em menos de 48 horas, o preço da batata no Rio de Janeiro subiu 400%… Oi? Como assim?

Em menos de 72 horas, os postos de combustíveis anunciaram que seus tanques estão quase vazios… Tá, justificável, o pânico levou todo mundo a abastecer os carros, o que de fato levou ao esgotamento das reservas.

Ahhh… Temos que forçar o governo a reduzir impostos!

Tudo bem, vamos diminuir os impostos e contribuições sobre os combustíveis…

E aumentar os impostos sobre a folha de salários, os impostos sobre a energia elétrica, os impostos sobre o pãozinho de cada dia…

Ou você realmente acha que existe almoço grátis?

Se o governo precisa de R$ 100 bilhões para pagar as contas, o governo irá arrecadar R$ 100 bilhões, de uma forma ou de outra. E você irá pagar, de uma forma ou de outra.

ATUALIZAÇÃO:

A Petrobras anunciou uma redução de 10% no preço do diesel e o governo anunciou que irá reduzir a 0 a CIDE sobre o combustível.

Ótimo, não? Agora os empresários terão uma justificativa para não aumentar o preço dos fretes, ou, quem sabe, para reduzi-lo.

E vai ficar tudo na mesma...


Aproveite a visita e confira:

0 comentários

Faça parte de nossa comunidade: